À luz do oceano

Hoje em dia, larga na frente quem, ao invés de apenas vender, envolve seus clientes em experiências marcantes. O resultado são consumidores fiéis a marcas e estabelecimentos, ressignificando o relacionamento entre empresas e público-alvo. 

É assim que nasce o Under, o primeiro restaurante semi-submerso da Europa, localizado na costa de Lindsenes, extremo sul norueguês. Com projeto do escritório de arquitetura Snøhetta, o restaurante, visto de fora, parece um grande edifício acidentado no oceano, tal qual as rochas que o rodeiam. 

Foto: Ivar Kvaal/divulgação

A estrutura de concreto armado com 495 metros quadrados, projetada para suportar condições severas de clima ou até “a onda do século”, como brinca Kjetil Traedel Thorsen, arquiteto fundador do escritório, enterra-se cinco metros sob o nível do mar. 

“O projeto impõe uma simplicidade avassaladora sobre esta paisagem conturbada e vibrante, proporcionando aos visitantes experimentarem um estado de completa serenidade depois da excitação extrema proporcionada pelo ambiente exterior”, destaca o escritório. 

Nos interiores, um jogo de texturas, cores e luzes - ora mais claras, ora mais escuras -, afloram as sensações dos usuários. É como se estivéssemos, de fato, adentrando as agitadas águas do Mar do Norte. “A partir da entrada, a cor neutra do teto se transforma em um cálido arroxeado, um coral intenso, passando ao verde-mar e finalmente culminando em um azul-hera, a cor da meia noite que define a atmosfera da sala principal do restaurante” contam os autores do projeto.

 

Foto: Inger Marie Grini/Bo Bedre Norge/divulgação

O acesso ao interior é feito por lances de escadas de oito metros que levam a um bar no mezanino e ao salão principal no térreo, com capacidade para acomodar até 40 pessoas. A cereja do bolo fica por conta de uma grande abertura de vidro com cerca de 11 metros de largura por três de altura que revela as profundezas do oceano. 

Foto: Ivar Kvaal/divulgação

Graças ao grande vão, a atmosfera do restaurante se transforma conforme as alterações do próprio mar ao longo do dia e do ano. Para diminuir a refletividade dos vidros e as variações de luz conforme as horas do dia, o projeto conta com um sistema de LED dimerizado com mais de 380 luminárias instaladas nos painéis de forro acústico.

O projeto, que além do restaurante abriga um centro de pesquisa marítima, foi inaugurado na última quarta-feira (20) e já conta com uma fila de espera de milhares de pessoas. Mas para degustar o cardápio com ingredientes locais, peixes e crustáceos, é preciso preparar o bolso: uma refeição completa sai por cerca de US$ 430 por pessoa.  
 

Foto de capa: Ivar Kvaal/divulgação