Ciência explica como manter a produtividade no home office

O futuro do trabalho chegou. Se antes o home office era um esquema explorado por poucas empresas, agora ele é a única saída viável para que as organizações continuem fazendo a roda girar. Agora, mais que garantir a sobrevivência de uma marca, é preciso assegurar que a economia retome seu fôlego em meio a uma pandemia que se estende pelo mundo. 

Em tempos de isolamento social, não se trata só de trabalhar de um jeito novo. Estamos, involuntariamente, tendo de adotar um novo estilo de vida. E em meio a tanta informação, manter a concentração nas tarefas diárias tem sido um desafio constante na vida de todos nós. 

Se você, que está em casa e já adotou todas as medidas para garantir que o seu home office nesse período seja mais produtivo - como separar um espaço tranquilo para trabalhar -, vale ficar por dentro das dicas que a neuroarquitetura tem para o momento. 

Afinal, além da tão desejada produtividade, devemos focar também em manter o nosso bem-estar físico e mental, essenciais para que possamos atravessar com mais positividade um momento tão delicado como esse. 

Arquitetura e neurociência de mãos dadas
Com os avanços da neurociência, questões inconscientes e que impactam diretamente o nosso comportamento individual e em sociedade começaram a ser melhor compreendidas. E, no âmbito do ambiente construído, já sabemos que maioria das nossas experiências nos locais que frequentamos é inconsciente. 

A neuroarquitetura, embora pouco explorada em muitos países, é uma abordagem que mergulha no campo da ciência cognitiva para ajudar muitos arquitetos e designers a conceber espaços que impactem positivamente seus usuários. Mas como aplicar esses conceitos em casa, em tempos de home office? Veja as nossas dicas:

Luz em primeiro lugar
A iluminação é um fator que afeta não só a nossa produtividade, mas também a nossa saúde e felicidade. Estudos afirmam que os trabalhadores que desfrutam de mais luz durante o dia, especialmente a natural, têm maior probabilidade de manterem o bom humor. Por isso, dê preferência por trabalhar de janelas abertas, mas fique atento para não posicionar seu monitor contra a luz.

Free-Photos/Pixabay

A natureza faz bem
Incorporar elementos da natureza nos ambientes em que vivemos ou passamos grande parte do nosso tempo, ou apenas prever um local de trabalho de frente para janelas com vista para a natureza, pode trazer ganhos reais à nossa saúde mental e física, aumentando nossa sensação de bem-estar ao longo do dia e diminuindo a nossa frequência cardíaca e os nossos níveis de estresse.

uniquedesign52/Pixabay

Mova-se!  
Mesmo que você não tenha o hábito de se exercitar, o isolamento social pode reduzir muito os nossos níveis de serotonina e de dopamina, hormônios responsáveis pela nossa sensação de bem-estar. Por isso, reserve algum tempo para se movimentar em casa. 

rob9040/Pixabay

Invista nas pausas
Em tempos de home office, sentir-se improdutivo pode ser normal. Mas a verdade é que não precisamos produzir o dia todo. Tão importante quanto manter a atenção focada nas tarefas diárias é saber parar. 

A ciência explica: seu cérebro só consegue se concentrar completamente em uma atividade por um período de 90 minutos, aproximadamente. É o que os pesquisadores chamam ciclo de descanso-atividade básico.

Karolina Grabowska/Pixabay

E por que não dormir?
Um estudo da American Sleep Fundation constatou que uma soneca de 20 a 30 minutos te deixa mais alerta e produtivo, e outra da NASA, que foi mais além, mostrou que essa “pescadinha” melhorou a performance dos participantes em 34% e os deixou 100% mais alertas. Só não pode passar de 30 minutos, quando nosso sono entra em onda lenta e fica muito mais difícil de acordar, explica a neurologia.

StockSnap/Pixabay

Ilustração de capa: Gerd Altmann/Pixabay