Corporativo humanizado

Hoje em dia, a grande maioria das organizações já entende qual é o seu maior ativo: os colaboradores. Não à toa, a gestão de pessoas toma aos poucos o lugar dos recursos humanos nas empresas, já que mais que usufruir dos recursos operacionais dos funcionários, é preciso focar em potenciais talentos e dar mais espaço para a criatividade correr solta no desempenho das funções.

“Humanização é um conjunto de medidas, e o ambiente de trabalho é um dos veículos para que esse objetivo seja atendido”, explica Pierina Piemonte, da LPA Arquitetura. Uma empresa que abrace essa bandeira, algo que nasce em sua cultura, deve entender a importância de garantir ambientes de trabalho mais estimulantes e humanos e, consequentemente, trabalhadores mais satisfeitos e produtivos.

Planejar espaços corporativos humanizados requer um profundo entendimento sobre os mecanismos de trabalho e de hierarquia da empresa. Tudo começa com um spaceplanning muito bem detalhado, ou seja, com a imersão na cultura corporativa a fim de entender as necessidades intrínsecas ao projeto que será desenvolvido. Para isso, alguns levantamentos são necessários, já que nem sempre – ou quase nunca – a direção conhece as reais demandas dos seus espaços.

Na prática, alguns elementos do layout são de extrema importância para garantir um espaço de trabalho mais humano. Alguns, como iluminação e cores, exercem influência direta nos nossos estímulos. Outros, como a ergonomia, asseguram a saúde ocupacional da equipe. Confira algumas dicas.

Luz e cores

Trabalhar com iluminação natural é sempre estimulante e pode instigar mais conforto para quem passa horas dentro de locais fechados. Ademais, a NBR 5413 baliza as condições de iluminância artificial ideais para garantir condições saudáveis de ocupação. Em estações contínuas de trabalho, é preciso manter de 500 a 1000 lux de iluminação, enquanto em áreas de descompressão e de trabalho não contínuo a luz pode ser mais difusa e com temperatura mais quente, desde que sejam garantidos de 100 a 200 lux.

As cores também desempenham papel importante nesse aspecto. Quando a identidade visual da empresa já incorpora matizes muito fortes, como o vermelho e o laranja, que entre outras sensações despertam impulsividade e euforia, é importante atentar para um uso comedido especialmente nas estações individuais ou compartilhadas de trabalho. “O excesso de cores e de informação causam, mesmo que não percebamos, um barulho mental que atrapalha diretamente a nossa concentração”, alerta a arquiteta.

Espaços de descanso

Pense em áreas de descompressão e cafés com décor diferenciado dos outros layouts da empresa. A ideia é fazer com que os colaboradores realmente se desconectem do trabalho. E por que não uma soneca rápida? Um estudo da American Sleep Fundation constatou que dormir de 20 a 30 minutos no meio do dia te deixa mais alerta e produtivo, e outra da NASA, que foi mais além, mostrou que essa “pescadinha” melhorou a performance dos participantes em 34% e os deixou 100% mais alertas. Além de puffs, sofás confortáveis e até redes (como na sede da Bain & Company no Rio de Janeiro, com projeto da LPA), é importante considerar no projeto um bom isolamento acústico nesta salas, além de uma iluminação mais quente e indireta, que tranquilize o ambiente.

Mais verde

Segundo Alex Haslam, autor de um estudo que atrela os espaços verdes à melhora na nossa produtividade, as plantinhas ajudam as pessoas a ficarem fisicamente, mentalmente e emocionalmente mais envolvidas com o trabalho. Vale desde um jardim interno ou externo até paredes verdes, como na sede da ACE Engenharia, quando a planta não dá muita margem para incorporar esses tipos de soluções.

Comunicação visual inspiradora

Cada vez mais a comunicação visual tem sido valorizada e usada à favor das companhias para trazer insights inspiradores aos colaboradores. Na ACE Engenharia, o partido toma conta de todo o espaço, com destaque para o painel criado na recepção.