Grafeiphobia: Unexpected Office - uma maneira inusitada para trabalhar

O home office está em rápida ascensão e pesquisas apontam isso pelo mundo todo. O fenômeno global não é apenas uma onda do futuro, respaldada pelo avanço da tecnologia. Profissionais das mais diversas áreas do conhecimento se debruçam em estudos que comprovam: trabalhar em casa pode ser mais produtivo, mais eficiente, menos estressante e pode até gerar mais engajamento, sem falar na redução dos custos administrativos e, a nível global, até na diminuição das emissões de carbono com menos vai e vem de carros transitando pelas cidades.

Não é à toa que empresas se esforçam para oferecer espaços de trabalho mais humanizados, variados e, não raro, que até se pareçam com ambientes residenciais. Mas o designer francês Geoffrey Pascal foi além. Ao notar sua própria dificuldade para trabalhar em uma mesa comum, desenvolveu uma linha de móveis corporativos inspirados em quem adora realizar suas tarefas no conforto de suas camas. 

"Eu decidi fazer um experimento comigo mesmo e trabalhar da cama todos os dias. E a verdade é que quando estamos deitados, nossa relação com o trabalho muda", conta o designer à plataforma Dezeen

A coleção Grafeiphobia: Unexpected Office, apresentada durante a Semana de Design Holandesa no fim do ano passado, é baseada em três modelos de desks feitos com ripas de madeira e diferentes estofados que que simulam nossas posições de trabalho na cama, ao mesmo tempo que apoiam o corpo na Posição Neutra do Corpo da NASA - que espalha o peso do usuário sobre vários pontos do corpo. 

O Basic Besk foi inspirado na posição que fazemos ao sentar na cama com um laptop no colo. Ele consiste em três módulos - um encosto de três partes com almofadas que apóiam da cabeça ao cóccix, um assento e um descanso para os pés, que também funciona como uma pequena caixa de armazenamento. O design foi desenvolvido para trabalhos de até três horas. 

O Triclinium Gum, de estrutura dupla, foi projetado com inclinação para quem opta por trabalhar deitado de lado. Uma almofada adicional serve de apoio às pernas e a base para o laptop pode ser desmembrada e virar uma estrutura para trabalhar em pé. O design é destinado a tarefas que levam entre cinco e 30 minutos.

Já o Flying Man é desenhado para quem deseja trabalhar de bruços. Ele consiste em três estruturas: uma para a parte inferior das pernas, uma para o tronco e uma mesa de laptop com tampo reversível que também serve como um banco estofado. O suporte para as pernas e para o peito pode ser remanejado e virar um assento com mesa de apoio. O modelo foi baseado para trabalhos de até uma hora.

Segundo o designer ao Dezeen, o importante é manter-se em movimento e reajustar os módulos conforme o trabalho que precisa ser feito, além de respeitar o tempo máximo estipulado para cada estação. "Ao fazer isso, o usuário não fica tão cansado e entediado como se tivesse ficado em uma cadeira. Ele pode trabalhar por mais tempo, mas em um ambiente mais acolhedor, lúdico e confortável."

Fotos: reprodução/Dezeen