Você sabe quais são as métricas de mercado para o cálculo de área de um imóvel?

Quando se está na busca por um imóvel, uma das primeiras informações que se procura saber é a área. Contudo, este termo pode corresponder à diferentes métricas de mercado, que são significativas para a implantação do projeto arquitetônico. Estar atento às diferenças entre cada conceito é importante para poder entender melhor o espaço do imóvel e as possibilidades que este lhe oferece.
Vamos conhecer quais métricas o mercado adota?

Área Comum

A Área Comum refere-se a todos os espaços que estão fora da área privativa que podem, ou não, ser de livre acesso aos condôminos. Por exemplo: halls de entrada, áreas técnicas, de acesso e de suporte do edifício, estacionamento, entre outras. Esse cálculo é feito através de rateio, ou seja, a área comum total é dividida proporcionalmente para cada unidade do empreendimento. Vale ressaltar que no caso de empreendimentos corporativos nos quais as vagas de garagens não são demarcadas, elas não entram neste cálculo.

Área Privativa

Na Área Privativa estão contabilizadas não somente as áreas dos ambientes em si, inclusive as paredes e pilares internos ao conjunto/apartamento e depósitos privativos. É comum nos ambientes corporativos que as áreas de sacadas e áreas técnicas (para condensadoras de ar condicionado, por exemplo) tenham acesso do condomínio, sendo assim desconsideradas do cálculo da Área Privativa.

Área Útil

Esta métrica é uma das mais importantes na hora de negociar um imóvel, pois como o próprio nome já diz, é a área que efetivamente será ocupada e utilizada no projeto de interiores. No cálculo da área útil são consideradas as áreas de todos os ambientes internos à área privativa, excluindo-se a projeção de paredes e pilares existentes e, dependendo do caso, alguns ambientes como a sacada. É interessante notar que, por esta definição, a Área Útil será igual ou menor do que a Área Privativa.

Área de Carpete

Embora esta métrica não seja prevista nas normas e legislações pertinentes à incorporação imobiliária, ela tem grande importância para o projeto de interiores, em especial corporativos. Refere-se à área efetiva livre para a implantação do layout. É chamada de Área de Carpete, pois exclui áreas como sanitários e copas existentes dentro da área privativa, além de paredes, shafts e equipamentos. Este conceito é utilizado para a análise de capacidade de um conjunto, sendo relevante para o desenvolvimento do projeto.

Área Boma

Boma é a sigla para Bulding Owners and Managers Association. Atualmente, é a métrica mais utilizada nas negociações no mercado corporativo. Deve-se estar atento ao conceito de Área Boma de um imóvel, pois ela é o resultado da soma de toda a Área Privativa e da Área Comum do imóvel rateado proporcionalmente aos ocupantes. Sendo assim, esta métrica tem implicação direta no que será adquirido e pago, mas não necessariamente com a área disponível para o projeto de interiores.

É muito importante o futuro usuário, seja inquilino ou proprietário, estar ciente destes detalhes. Além destas informações relativas à métrica a arquitetura do edifício também pode impactar na eficiência do espaço, por exemplo: edifícios com fachadas curvas ou pilares internos no conjunto causam uma perda de eficiência no aproveitamento da área.

Por todos estes motivos é muito importante ter a assessoria de empresas especializadas para realizar esta busca e análise do espaço e áreas, e então esclarecer todas as dúvidas do futuro usuário para concretizar um negócio alinhado às expectativas e possibilidades, sem sustos no futuro.

Se você quiser saber mais sobre este assunto, entre em contato conosco. Deixe os seus comentários sobre o texto e se tem sugestões de outros assuntos que podemos abordar por aqui!


Texto: Arquiteta Pierina Piemonte

Fonte: Cushman & Wakefield