O futuro do trabalho - e dos escritórios - no pós-pandemia

Depois de tanto tempo experimentando os benefícios e os desafios do home office, o retorno gradativo aos escritórios tem desafiado líderes e empresas a repensarem suas culturas empresariais a fim de atender às demandas de uma experiência de trabalho cada vez mais segura, produtiva, inspiradora e flexível.

 

É o que mostra o estudo mais recente publicado pela Steelcase, maior fabricante de mobiliário corporativo do mundo e responsável por estudos aprofundados sobre as tendências de mercado do nicho. Sob o nome “Changing Expectations and the Future of Work”, a pesquisa ouviu 32 mil entrevistados de 10 países diferentes para entender o impacto da pandemia sobre o que as pessoas precisam e esperam de seus espaços de trabalho daqui em diante.

 

Contrariando algumas manchetes que anunciavam o desaparecimento dos escritórios num futuro próximo, a maioria das pessoas ouvidas pelo estudo afirmou que espera passar mais tempo trabalhando no escritório do que em casa, mas que também anseia por maior flexibilidade nas rotinas de trabalho. Confirmando a tendência, 87% dos líderes em todo o mundo dizem que esperam permitir mais flexibilidade sobre onde, quando e como as pessoas desempenham suas atividades laborais, anunciando uma experiência cada vez mais híbrida de trabalho.

 

As novas tendências também fazem emergir um novo jeito de pensar e planejar os layouts corporativos daqui em diante. Para atender com eficiência às demandas de um futuro cada vez mais híbrido e flexível de trabalho, listamos quatro mudanças macro que devem ser observadas nos escritórios depois da pandemia do COVID-19:

Segurança em primeiro lugar

Novos critérios de densidade deverão ser exigidos, visando à diminuição de pessoas por metro quadrado nos espaços, com sensores para entender e controlar melhor a ocupação das salas. A geometria e disposição dos mobiliários também deve ser repensada para reduzir o contato face a face entre os colaboradores, assim como dispositivos com viva-voz podem ser previstos para diminuir o contato das mãos sobre as superfícies como portas,  janelas, maçanetas e torneiras.

 

Produtividade e inovação

Um layout preparado para as novas dinâmicas de trabalho no pós-pandemia deve prever espaços igualmente prontos para trabalhos individuais, em grupo e virtual, além de promover a circulação e, consequentemente, interações e conexões casuais entre os colaboradores - estudos comprovam que o movimento aumenta a nossa criatividade e permite uma participação mais igualitária no ambiente de trabalho. Aqui, o desafio é encontrar, dentro da realidade de cada organização, um esquema que amplie as conexões humanas e que impulsione a inovação.

Inspiração

Os novos espaços deverão ser projetados para oferecer mais vitalidade, inclusão, confiança e resiliência aos colaboradores. Em outras palavras, um bom projeto de arquitetura corporativa deverá prever espaços cada vez mais humanos e inspiradores, capazes de promover senso de propósito e pertencimento entre os trabalhadores.

 

Flexibilidade

Elementos arquitetônicos flexíveis, espaços multimodais e mobiliários móveis e modulares são peças-chave no contexto dos escritórios preparados para a realidade do pós-pandemia, com mais colaboradores intercalando entre o escritório e o trabalho remoto.

 

Conheça o nosso projeto vencedor do Concurso Internacional "BACK TO A BETTER EXPERIENCE" no post:  Projeto BACK TO A BETTER EXPERIENCE

 

O que você acha destes conceitos? Conte para a gente nos comentários. Vamos adorar interagir com vocês!

Usamos cookies para personalizar o conteúdo, acompanhar anúncios e oferecer uma experiência de navegação mais segura a você. Ao continuar navegando em nosso site você concorda com o uso dessas informações. Leia nossa Política de Privacidade e saiba mais.